fbpx

Cobertura de esgoto em Hortolândia atinge 96,3%

 

As obras de implantação da rede coletora de esgoto em Hortolândia, em realização pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) atingiram a cobertura de 96,3% da cidade. Falta pouco para a universalização do serviço de afastamento e tratamento de dejetos domiciliares. Para atingir 100% de cobertura, a Prefeitura acompanha os trabalhos da companhia, que agora se concentram na implantação de vielas sanitárias no jd. Nova Hortolândia e Jd. Nossa Senhora Auxiliadora. A previsão é que até 2020 todo o esgoto da cidade seja coletado e tratado.

“Há anos lutamos para que todas as residências de Hortolândia tenham esgoto coletado e tratado. Em parceria com a Sabesp, estamos próximos de alcançar essa meta, uma conquista do povo. Saneamento básico representa mais qualidade de vida, saúde e higiene, além da valorização dos imóveis”, observa o prefeito Angelo Perugini.


A implantação das vielas acontece em todos os locais onde a rede coletora que passa nas ruas não é capaz de captar o esgoto dos imóveis por gravidade, por serem prédios instalados em partes baixas das quadras. Nestes casos, a tubulação é implantada na parte dos fundos dos imóveis, num trecho onde não pode haver construções de alvenaria.

Os indicadores apontam que Hortolândia está à frente da maioria das cidades brasileiras: conforme dados do SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), a média nacional de atendimento de esgoto é de 50,26%. 

Luta pelo esgoto

A luta histórica da população de Hortolândia por esgoto começou na década de 1980 e viu os primeiros resultados a partir de 2005, na primeira gestão do prefeito Angelo Perugini que, em parceria com a Sabesp, fez Hortolândia sair do marco zero de coleta e tratamento de esgoto para 96,3% de cobertura do serviço. Esse resultado contou, principalmente, com a participação popular.

A universalização do esgoto é uma ação que faz parte do PIC (Programa de Incentivo ao Crescimento), programa que prevê mais de 100 intervenções e serviços que promoverão o desenvolvimento urbano, ambiental, social e humano para que Hortolândia cresça com planejamento e sustentabilidade nos próximos 30 anos.

Histórico – Esgoto em Hortolândia

•Década de 80: organização de movimentos populares em prol do esgoto

•1997: a Sabesp assume os serviços de água e esgoto na cidade. No contrato de concessão é previsto o prazo de dois anos para oferecer coleta e tratamento de esgoto.

•2003: a Sabesp inicia as obras da ETE, paralisadas depois por questões jurídicas envolvendo a concessionária e a empreiteira contratada para realizar a obra.

•2005: o prefeito Angelo Perugini assume a Prefeitura e inicia o trabalho de parceria com a Sabesp, para agilizar as obras de esgoto.

•2006: a população vai às ruas reivindicar à Sabesp esgoto coletado e tratado. No mesmo ano, a Sabesp retoma as obras de rede coletora de esgoto e libera as primeiras ligações de residências a rede coletora de esgoto.

•2007: a Prefeitura cria a Comissão de Acompanhamento de Obras de Esgoto, composta por representantes da sociedade civil. No mesmo ano, a Sabesp retoma as obras da ETE (Estação de Tratamento de Esgoto).

•2009: a ETE é inaugurada e, quatro meses depois, já tratava 30% do esgoto do município.

•2012: no segundo governo do prefeito Perugini, 72% da cidade tinha cobertura com rede coletora.

•2018: Hortolândia apresenta 95% de atendimento total de esgoto e recebe prêmio da ABES (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária).

•2019: a cobertura da rede coletora atinge 96,3%.