fbpx

Em 2018, Campinas registra menor número de vítimas fatais desde 2003

 

No mês em que são realizadas diversas ações de educação para a mobilidade, alusivas ao Maio Amarelo Campinas 2019, o município alcança mais um resultado positivo relacionado à redução de mortes no trânsito. De acordo com levantamento realizado pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), Campinas registrou, em 2018, 65 vítimas fatais de acidentes de trânsito na malha urbana, número 24,4% menor que em 2017, quando foram registrados 86 óbitos. Trata-se do menor número de vítimas fatais na malha urbana já registrado desde o início da medição realizada pela Emdec, em 2003.

 

 

O balanço de acidentalidade em 2018 foi divulgado nesta terça-feira, dia 7 de maio, durante o lançamento oficial do Movimento Maio Amarelo 2019 – Desacelere! Viva Mais, na Sala Azul do Paço Municipal. O evento contou com a presença do prefeito Jonas Donizette; do vice-prefeito Henrique Magalhães Teixeira; secretários municipais; vereadores; diversos parceiros do Movimento Maio Amarelo; e técnicos da Emdec. A apresentação foi conduzida pelo secretário de Transportes e presidente da Emdec, Carlos José Barreiro.


 

 

O prefeito Jonas Donizette destacou o número de vidas preservadas no último ano. “A mobilidade urbana está entre as quatro principais preocupações das cidades do País. Nossos dados de acidentalidade de 2018 mostram que tivemos 21 mortes no trânsito a menos do que tivemos em 2017. Quanto vale isto?”, afirmou. “Campinas está no caminho certo. Estamos fazendo um trabalho bem feito, proporcionando mobilidade para a população, ao mesmo tempo em que preservamos vidas”, completou o prefeito. 

 

 

O secretário de Transportes enfatizou o papel estratégico do trabalho da Emdec para o resultado alcançado. “Para reduzir o número de acidentes fatais em Campinas, a Emdec trabalha firmemente no tripé educação, engenharia de trânsito e fiscalização, tendo como norte a prevenção. Nosso índice de mortes no trânsito por 100 mil habitantes é muito pequeno, comparável ao de cidades do mesmo porte de Campinas em países do primeiro mundo”, destacou Barreiro.

 

 

Com a compilação dos dados de 2018, o índice de mortes no trânsito por 100 mil habitantes de Campinas foi atualizado para 5,44. A média mundial é de 17,4. Quando considerado o período de 2003 a 2018, a redução no número total de vítimas fatais de acidentes de trânsito na malha urbana foi de 27%. No período de 2010 a 2018, o número de mortes no trânsito diminuiu 38%, registrando menos 39 vítimas.

 

 

Do total de 65 vítimas fatais registradas em 2018, 29 (44,6%) eram ocupantes de motocicletas; 21 (32,3%) estavam nos dos demais veículos (16 condutores, três passageiros e dois ciclistas) e 15 (23,1%) eram pedestres vítimas de atropelamentos. Comparados ao mesmo período de 2017, os dados apontam redução de 51,6% no total de vítimas pedestres e de 29,3% no total de vítimas ocupantes de motocicletas.

 

 

Velocidade e álcool

 

 

Durante o evento, também foram apresentadas algumas conclusões graves obtidas pelo levantamento. “Nós temos duas grandes preocupações relacionadas aos acidentes de trânsito: a velocidade e o álcool. São os grandes vilões da questão da segurança no trânsito”, destacou o prefeito Jonas Donizette.

 

 

Das 65 vítimas fatais, 37 condutores e pedestres passaram por dosagem alcoólica, revelando que 51,4% dessa amostra apresentaram dosagem alcoólica proibitiva. A velocidade excessiva praticada no momento dos acidentes também chamou a atenção. Juntos, os dois fatores contribuíram para aumentar em 50% o número de vítimas fatais na categoria “ocupantes dos demais veículos”. Esse grupo saltou de 14 vítimas, em 2017, para 21 mortes no trânsito, em 2018.

 

 

Outro dado preocupante segue uma tendência verificada desde 2005 – a alta participação dos motociclistas no total de mortes no trânsito. “Nossa maior preocupação está relacionada aos motociclistas, é um problema muito sério. Em 2018, este foi o segmento com maior participação no total das vítimas fatais, com 44,6%”, enfatizou Barreiro. Cem por cento das 29 vítimas fatais desse grupo eram homens, a maioria jovens, 35% com idade entre 18 e 23 anos.

 

 

Confira outros dados de vítimas fatais no trânsito em 2018:

 

 

Das 65 vítimas fatais, 91% eram homens e 9% eram mulheres

22 vítimas tinham entre 18 e 29 anos (45,3%)

Em 52% dos atropelamentos, as vítimas tinham idade maior que 65 anos

47% dos acidentes com vítimas fatais ocorreram aos domingos e segundas-feiras

86% (56) das vítimas registradas em 2018 entraram em óbito no local do acidente e até sete dias após o acidente

 

 

Maio Amarelo – Desacelere!

 

 

Entre as ações realizadas pela Emdec para reduzir o número de mortes no trânsito, nas esferas Educação e Prevenção, está o Movimento Maio Amarelo, lançado oficialmente nesta terça-feira. A campanha tem a proposta de chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito.

 

 

“O mote da campanha em 2019 é o ‘Desacelere, Viva mais’. O tema está alinhado à principal missão da Emdec, que é a preservação da vida”, anunciou o secretário de Transportes. Inspirada pelo movimento slow, que combate as rotinas frenéticas, a “Desacelere!” incentiva a coexistência harmoniosa no trânsito e fomenta o senso coletivo. A ideia é reforçar que todos são responsáveis pela segurança no trânsito, que é feito por pessoas, não veículos.

 

 

Desacelerar é a palavra-chave da campanha, que irá reforçar que a pressa do dia a dia e o individualismo no trânsito são fatores determinantes para os índices de acidentes. Além da distribuição de materiais e divulgação em eventos estratégicos, a “Desacelere!” está sendo veiculada em diversas mídias, incluindo vídeos, rádio, outdoors e busdoors.

 

 

Já são mais de 80 eventos confirmados na edição 2019 do Maio Amarelo, envolvendo três pilares: parcerias com escolas, empresas e instituições; incremento das atividades educativas já existentes, e divulgação em diferentes mídias. Entre as ações programadas estão orientações aos pedestres em cruzamentos com alto índice de atropelamentos; instalação de carros e motos batidos em pontos estratégicos; mobilização de atletas e torcedores em partidas esportivas; blitzes educativas em bares sobre os perigos de dirigir após beber, e simulação de acidente de trânsito com múltiplas vítimas no Viaduto “Laurão”.

 

 

No hotsite http.www.emdec.com.br/maioamarelo, a população pode conferir a programação de eventos e baixar materiais gráficos alusivos à campanha. Está disponível ainda um Guia de Atividades, com sugestões para que empresas, escolas e outras instituições participem do movimento.

 

 

Em 2018, a campanha promoveu cerca de cem ações de conscientização, mobilizando aproximadamente cem parceiros. A meta de um milhão de pessoas impactadas foi atingida, considerando as campanhas de mídia e comunicação.

 

 

Maio Amarelo

 

 

O Maio Amarelo é um movimento internacional de conscientização para redução de acidentes de trânsito, coordenado entre o poder público e a sociedade civil. O símbolo do movimento é um laço, na cor amarela, que simboliza a atenção, a sinalização e a advertência no trânsito.

 

 

A iniciativa foi criada em 2014 pelo Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV) em apoio à “Década de Ações pela Segurança no Trânsito 2011-2020”, que busca poupar cinco milhões de vidas até 2020.

 

 

Confira na página da Emdec, no endereço http://www.emdec.com.br/eficiente/repositorio/Acidentalidade/19869.pdf, a apresentação completa com os dados de acidentalidade no município, em 2018, e as ações do Maio Amarelo 2019 – Desacelere! Viva Mais.