fbpx

Estações Meteorológicas de Campinas são destaque na Folha de São Paulo

 

A Defesa Civil de Campinas foi destaque em matéria do jornal Folha de São Paulo publicada nesta quarta-feira, 23 de outubro, sobre as Estações Meteorológicas Automatizadas, equipamentos utilizados para a prevenção de catástrofes naturais. A cidade conta com dez Estações, localizadas em pontos estratégicos distribuídos pelas cinco regiões do território municipal.

 

 

Os aparelhos medem, em tempo real, índice pluviométrico (volume de água das chuvas), temperatura, velocidade e direção dos ventos, fornecendo com antecedência essas informações para Defesa Civil. A partir dos dados recebidos, o órgão pode antecipar eventos e planejar ações de prevenção de desastres.


 

 

“A existência das Estações Meteorológicas e o fornecimento antecipado das informações compõem um conjunto importante para ampliar a segurança da população. O projeto piloto já está trazendo grandes benefícios ao município de Campinas”, explica o diretor da Defesa Civil, Sidnei Furtado.

 

 

A atuação da Defesa Civil foi fundamental, inclusive, para Campinas tornar-se a primeira cidade brasileira a ganhar o Prêmio Sasakawa, conferido pelas Nações Unidas para a Redução de Desastres. O prêmio foi entregue em maio deste ano em evento realizado em Genebra, na Suíça, devido à adoção de programas de prevenção contra catástrofes naturais.

 

 

Sidnei Furtado ressalta que “é fundamental receber os dados com antecedência não só para formatarmos um sistema de alerta, mas para que possamos planejar as ações”. Ele explica que as Estações ajudam a compor as respostas que a Defesa Civil precisa dar, em tempo oportuno, para uma cidade que é marcada tanto por estiagem como por período chuvoso durante seis meses do ano, além das arboviroses. “Essa ferramenta nos ajuda o ano inteiro. A partir das informações recebidas, é possível planejar as ações e as atividades, de uma forma preventiva, evitando ou minimizando problemas”.

 

 

Os equipamentos integram o videomonitoramento para alarmes instalado em pontos de inundação, onde sensores informam risco de alagamento, entre outros casos. “A quantidade de chuvas em determinada região da cidade poderá soar alarmes de inundação em áreas a serem evitadas durante tempestades e também ajudar a monitorar pessoas em situações de perigo”, diz Furtado.

 

 

Segundo o diretor da Defesa Civil, Sidnei Furtado, as Estações podem ser usadas também na saúde pública, contribuindo para a prevenção e controle de doenças como dengue e leptospirose. Os dados coletados pelos aparelhos podem sinalizar regiões da cidade com maior potencial para desenvolvimento de larvas de mosquitos por conta do alto volume de chuvas associado à temperatura elevada. “A nossa expectativa é ampliarmos esse trabalho com a Secretaria Municipal de Saúde, como ferramenta de apoio no planejamento das ações”.

 

 

As Estações são desenvolvidas pela empresa Pluvi.On, citada na matéria do jornal e que concorre ao Prêmio Empreendedor Social do Futuro. A empresa foi selecionada para fazer parte de um consórcio liderado pelo BNDES – parte do Plano Nacional de Internet das Coisas, voltado a desenvolver cidades inteligentes. Campinas é a número um no Ranking Connected Smart Cities de Cidades Inteligentes do Brasil.