fbpx

Inventário de Gases de Efeito Estufa na RMC está disponível para consulta

A Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SVDS) disponibiliza para consulta pública, a partir desta semana, a publicação oficial do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e de Poluentes Atmosféricos da Região Metropolitana de Campinas. O estudo conduzido pela Prefeitura de Campinas teve por objetivo obter dados para subsidiar ações regionais para redução de emissão de GEE.

 

O inventário foi encerrado e apresentado em maio deste ano, porém, agora, com a publicação física, os interessados passam a ter acesso à memória de cálculo na íntegra, com dados detalhados de cada um dos 20 municípios, a metodologia, os mapas, as emissões de cada um dos gases e também as proposições para a elaboração do plano de enfrentamento à mudança do clima. 


 

Também está disponível o Sumário Executivo do Inventário, uma versão resumida e objetiva, em português e em inglês.

 

Todos os documentos estão disponíveis para acesso livre à população no site da prefeitura: http://www.campinas.sp.gov.br/governo/meio-ambiente/emissoes-gases-efeito-estufa.php .

Contexto

 

De acordo com o secretário do Verde, Rogério Menezes, as alterações climáticas são uma realidade e precisam ser enfrentadas com a máxima urgência. Para ele, medidas podem e devem ser conduzidas e alinhadas com uma política municipal de enfrentamento às mudanças climáticas, por meio de estratégias de atuação, metas e planos de ação para redução dos GEE. 

 

Segundo Menezes, todas as atividades antrópicas fazem parte do cotidiano das cidades e torná-las ambientalmente sustentáveis constitui o maior desafio econômico, político e social já enfrentado. Existem várias maneiras de reduzir as emissões dos gases de efeito estufa bem como os seus efeitos sob o aquecimento global, de modo que os municípios possuem um papel fundamental na implantação de políticas públicas de mitigação e adaptação. 

 

Diminuir o desmatamento, investir no reflorestamento e na conservação de áreas naturais, incentivar o uso de energias renováveis não convencionais, reduzir o consumo de energia, primar pela eficiência energética, praticar a Política dos 3R’s (reduzir, reaproveitar e reciclar materiais), empregar tecnologias de baixo carbono, melhorar o transporte público com baixa emissão de GEE, são algumas das possibilidades.

 

“Em uma região economicamente ativa e interligada como a RMC, fica claro que ações individualizadas representam baixa otimização de recursos humanos e financeiros, além de enfrentarem o risco da descontinuidade de soluções e da apresentação de um diagnóstico não condizente com a realidade regional”, avalia o secretário.

 

Histórico

 

O Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa e o Plano de Ação de Enfrentamento à Mudança do Clima são o resultado de um longo processo que começou em 2015, quando Campinas se associou à rede ICLEI. No mesmo ano, foi lançado o protocolo de intenções para a elaboração do inventário e do plano celebrado entre Campinas e os demais municípios da Região Metropolitana. Em 2016, foi lançado o Projeto Básico, documento norteador para a contratação com diretrizes e exigências; e, em 2017, aconteceu a contratação da WayCarbon e subcontratação do ICLEI para a elaboração do inventário. Em 2018, foram iniciadas as atividades e foram realizados seminários, capacitações, oficinas (para a elaboração do Plano de Ação) assim como uma consulta pública com os resultados do inventário.

 

Os estudos foram conduzidos, durante os anos de 2018 e 2019, pela empresa Waycarbon com a participação do ICLEI (Governos Locais pela Sustentabilidade) e contou com o apoio das prefeituras dos outros 19 municípios da RMC. O trabalho foi licitado e pago pelo Fundo de Recuperação, Manutenção e Preservação do Meio Ambiente (Proamb) de Campinas, sob responsabilidade da Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SVDS).