fbpx

Obras para faixas de acesso dão continuidade ao Corredor Metropolitano

 

Avança em ritmo acelerado a obra de implantação do Corredor Metropolitano Noroeste “Vereador Biléo Soares”, a partir da Ponte da Esperança (Estaiada) sentido Rodovia Jornalista Francisco Aguirre de Proença (SP-101). Nesta semana, o serviço executado pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) e acompanhado pela Prefeitura, contempla a criação de faixas de acesso entre os imóveis localizados na avenida Antônio da Costa Santos, no Jd. Nova América, até o corredor expresso. Com isso, moradores das casas e comerciantes desta rua terão garantido acesso facilitado e seguro de veículos. Para a realização deste serviço, que inclui escavação, drenagem e pavimentação, a EMTU bloqueou a avenida, entre as ruas São Francisco da Glória e Congonha, com apoio da equipe da Secretaria de Mobilidade Urbana. A previsão é que a via seja liberada em 20 dias.

De acordo com o engenheiro de campo da empresa responsável pela obra, Guilherme Braga de Oliveira, para a construção das faixas de acesso, a avenida precisou ser interditada no sentido Ponte da Esperança. Além da pavimentação destes acessos, a EMTU também trabalha na implantação de abrigos de ônibus ao longo do traçado, cujas obras já estão próximas do Parque Perón. Das cinco paradas de ônibus previstas, duas já estão prontas e uma está em andamento. São realizados, ainda, serviços de implantação de guias e sarjetas, plantio de grama, e abertura de sistema viário em direção à SP-101.


A obra, quando finalizada, vai possibilitar o tráfego de veículos pela Ponte da Esperança, construída pela Prefeitura de Hortolândia para integrar as regiões Leste (Jd. Novo Ângulo) e Oeste (Jd. Amanda) da cidade. A partir do Parque Peron, o traçado do Corredor Metropolitano segue pelo bairro Chácaras Nova Boa Vista, até o km 5 SP-101, onde a concessionária Rodovias do Tietê implanta um dispositivo de acesso ao corredor expresso e à Ponte da Esperança. Quando todas as etapas estiverem prontas, o Corredor Metropolitano proporcionará a ligação viária de Americana até Campinas.

O Estado investe R$ 58,2 milhões nas obras em Hortolândia, que incluem a interligação da avenida Olívio Franceschini com a ponte; o viário da ponte até a SP-101, com duas alças de acesso do Corredor à rodovia, nos sentidos Monte Mor e Campinas; duas estações de transferência nos bairros Peron e Rosolen; cinco estações de embarque e desembarque; além de um CCO (Centro de Controle Operacional), na avenida Olívio Franceschini; e de um viaduto na SP-101, na altura do Jardim Rosolen.

Rota alternativa

A Prefeitura instalou placas para orientação dos motoristas sobre os desvios que devem ser utilizados na região do Jd. Nova América, onde o trânsito está bloqueado para as obras do Corredor Metropolitano. Para acesso à região Central, os motoristas e os coletivos devem seguir pela rua Monte Azul, passando pela rua Congonhas, rua José Roberto da Silva, rua Gildo Begosso, rua João Ravanhani, retornando para a rua Antônia Luzia de Jesus através da rua Adail Alves da Silva.

As linhas de ônibus urbanos e intermunicipais também sofrem alterações. O ponto final dos coletivos, situado próximo a Igreja Santa Edwiges, se deslocará para a rua Monte Azul, lateral ao campo de futebol de bairro.

PIC

A obra do Corredor Metropolitano e a liberação da Ponte da Esperança para o tráfego de veículos são obras que fazem parte do PIC (Programa de Incentivo ao Crescimento), programa que prevê mais de 100 intervenções e serviços que promoverão o desenvolvimento urbano, ambiental, social e humano para que Hortolândia cresça com planejamento e sustentabilidade nos próximos 30 anos.