Conecte-se conosco

Nossa Cidade

Programa Nutrir Campinas entrega mais 900 cartões em dezembro

Publicado

em

A Prefeitura de Campinas entrega, neste mês de dezembro, mais 935 cartões do Programa de Segurança Alimentar Nutrir Campinas. Com essa ampliação, quase três mil pessoas passam a ser beneficiadas pelo programa.

 

 

A entrega ocorre sempre na plataforma da Estação Cultura. Nos últimos dias 12 e 13 de dezembro, mais de 400 famílias foram contempladas. Nos próximos dias 17 e 23, outras 500 recebem o cartão.


 

 

Conforme o diretor do Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional da Secretaria Municipal de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos, Domis Vieira, o compromisso de ampliar o número de famílias beneficiadas continua valendo no próximo ano.

 

 

“Em janeiro, lançaremos o calendário anual de atendimento do ano de 2020. Atualmente, temos 6152 famílias atendidas pelo programa, abrangendo a inclusão de casos emergenciais. São 400 cartões que ficam disponíveis para diversos serviços de assistência social em vários locais da cidade. Há também os que são solicitados pela Defesa Civil, quando a família que vive em situação de vulnerabilidade sofre algum tipo de incidente como uma enchente ou incêndio”, explicou Domis. 

 

 

Cartão Nutrir Campinas

 

 

O Nutrir Campinas, implementado em junho de 2016 para substituir a cesta básica, permite aos beneficiários comprar no mercado perto de casa. A medida é importante para desenvolver o comércio local e propiciar melhorias para o bairro.

 

 

O documento do programa é um cartão magnético, do tipo vale-alimentação, no valor de R$ 88,15 (26 UFICs) mensais, para a compra de alimentos de primeira necessidade. O cartão vale por um ano e é recarregado sempre no primeiro dia útil do mês.

 

 

Para participar do programa, as famílias precisam estar inseridas no Cadastro Único do governo federal e são selecionadas pelo Sistema de Governança Municipal (SIG-M), que analisa os dados. A prioridade é para famílias com crianças de zero a quatro anos, que tenham pessoas com deficiência ou idosos no grupo familiar.