fbpx

Secretário de Transportes participa de reunião na Câmara sobre BRT

O secretário de Transportes e presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), Carlos José Barreiro, participou na tarde de sexta-feira, dia 29 de março, de reunião da Comissão Permanente de Mobilidade Urbana e Planejamento Viário da Câmara de Vereadores. Coordenado pelo vereador Carmo Luiz, atual presidente da Comissão, o encontro teve como tema principal o andamento das obras de implantação dos corredores BRT (Bus Rapid Transit, Ônibus de Trânsito Rápido) no município.

 

 

 

Na reunião estiveram presentes vereadores e vários moradores das regiões impactadas pelas obras, principalmente dos distritos do Ouro Verde e Campo Grande. Barreiro destacou a diretriz do Plano Diretor do município, que é “a priorização do transporte público, do transporte de massa”.


 

 

 

O secretário também destacou as virtudes do modal de transporte escolhido para atender aos dois distritos, que irá proporcionar “diminuição no tempo de viagem, melhoria na qualidade, diminuição na emissão de poluentes e melhoria da qualidade de vida da população”.

 

 

 

O BRT terá um sistema tronco-alimentado, com linhas troncais ligando os distritos ao Centro e linhas alimentadoras, ligando os bairros aos corredores de transporte. Os projetos executivos do BRT estão entre 80% a 95% concluídos. Já as obras estão, em torno, de 48% em realização. De 36,6 km de extensão dos três corredores (Campo Grande, Ouro Verde e Perimetral), 23,2 km estão em obras; e de 15 obras de artes (pontes e viadutos) previstas no projeto, 11 estão em execução. “Estamos rigorosamente dentre do cronograma estabelecido. Em alguns casos, até com uma leve vantagem”, destacou Carlos Barreiro.

 

 

 

O secretário de Transportes também salientou o uso de drone para monitorar o trânsito e auxiliar nos trechos em obras. E enfatizou a implantação do sistema cicloviário do município, que privilegiará o uso da bicicleta como meio de deslocamento complementar ao transporte público.

 

 

 

BRT

 

O BRT campineiro contempla estações de transferência e infraestrutura adequada; veículos articulados ou biarticulados; corredores exclusivos com espaços para ultrapassagens; embarque e desembarque pela esquerda (junto ao canteiro central das avenidas); embarque em nível; e pagamento desembarcado. O sistema será mais seguro, rápido, eficiente e confiável.

 

 

 

O BRT Campo Grande tem 17,9 km de extensão, saindo da região central, ao lado do Terminal Mercado, seguindo pelo leito desativado do antigo VLT, Avenida John Boyd Dunlop, passando pelo Terminal Campo Grande e chegando ao Terminal Itajaí. Serão construídas 12 obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

O BRT Ouro Verde tem 14,6 km de extensão, saindo da região central, do Terminal Central, seguindo pelas avenidas João Jorge, Amoreiras, Ruy Rodriguez, passando pelo Terminal Ouro Verde, Camucim até o Terminal Vida Nova. Nesse trajeto serão construídas quatro obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

Entre os dois corredores há um corredor perimetral, chamado de BRT Perimetral, com 4,1 km de extensão, ligando a Vila Aurocan até o Campos Elíseos, seguindo pelo leito desativado do VLT.

 

 

 

Os três corredores BRT do município – Campo Grande, Ouro Verde e Perimetral – têm custo total de R$ 451,5 milhões. Serão 36,6 km de corredores, com tempo total de obras de três anos, com entrega em meados de 2020.